Passos Coelho admite responsabilidade por derrota nas eleições europeias

“Quero assumir a responsabilidade política por este resultado”. Foi deste modo que o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, admitiu a derrota da coligação entre o PSD e o CDS, a Aliança Portugal, nas eleições europeias deste domingo. “Só há um que ganha. Foi o PS que ganhou estas eleições. A Aliança Portugal ficou evidentemente aquém das expectativas”, assumiu Passos Coelho.

Ainda assim, o líder do PSD tentou minimizar a vitória do maior partido da oposição em Portugal. “Nem a derrota da Aliança Portugal foi tão grande quanto se prognosticava, nem a vitória do Partido Socialista foi tão folgada quanto foi anunciado”, afirmou Pedro Passos Coelho. Os primeiros resultados oficiais das eleições indicam que a Aliança Portugal terá obtido cerca de 28,5% dos votos, contra 31,7% do PS.

Na sua declaração à imprensa, Passos Coelho aproveitou ainda para manifestar “alguma preocupação” pelo reforço que nestas eleições europeias tiveram várias forças políticas eurocépticas em diversos países.

O líder do principal partido da oposição, António José Seguro, manifestou o seu regozijo pelo resultado do PS. “O PS teve hoje uma grande vitória eleitoral”, afirmou António José Seguro, lembrando que em menos de um ano os socialistas conseguiram ser o partido mais votado em Portugal duas vezes seguidas (primeiro nas eleições autárquicas e agora nas europeias).

O secretário-geral do PS admitiu que a abstenção (superior a 60%) continua elevada, assumindo que os responsáveis políticos deverão ter outro tipo de atitude. “É a nós, responsáveis políticos, que cabe tudo fazer para recuperar a confiança dos eleitores”, afirmou António José Seguro.

Seguro procurou, contudo, centrar a sua mensagem na importância que estas eleições europeias têm para a política interna. “Os portugueses querem votar, querem outro Governo e querem que esse Governo seja liderado pelo PS”, afirmou o líder socialista.

Na noite deste domingo o secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), Jerónimo de Sousa, comemorou o reforço de votação da coligação CDU (aliança tradicional entre o PCP e o Partido Ecologista Os Verdes) anunciando que os comunistas irão apresentar uma moção de censura ao Governo.

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Passos Coelho, reagiu de imediato, desvalorizando. “Cá aguardamos pela dita moção de censura. Porém, parece-me que estão profundamente equivocados os partidos que pensam que os portugueses preferem uma crise política”, comentou Pedro Passos Coelho.

Segundo Jerónimo de Sousa, que considerou que foi obtido este domingo “um dos mais significativos êxitos da CDU no Parlamento Europeu”, os resultados destas eleições “confirmam uma derrota dos partidos do Governo”.

Quem também saiu a perder este domingo foi o Bloco de Esquerda, que viu reduzir-se o apoio do eleitorado e o seu número de eurodeputados. “Não foi um bom resultado, mas continuaremos a fazer a nossa luta”, comentou a cabeça de lista do Bloco, Marisa Matias.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *